mudar

Continue curioso

outubro 7, 2013

Sabe aquele projeto que você simpatiza à primeira vista? O continuecurioso é assim! Os capítulos da websérie nos enchem de inspiração e possibilidades criativas. Aquelas que já tivemos às dezenas, mas arquivamos por medo ou acomodação. A Ju e a Cris elevaram o status do plano B! Suas lindas histórias são reais e nos mostram como um (re)começo pode ser fundamental para a nossa felicidade.

Esse papo é um convite ao movimento. Não é à toa que foi colocado na editoria Mudar. Vamos tirar os projetos do papel? Com a palavra, a Ju e a Cris!

Qual foi o caminho que levou vocês a criarem o continuecurioso? Foi assim: eu, Ju Mendonça, e a Cris Schmidt queríamos falar sobre novas maneiras de se trabalhar e de se enxergar o trabalho. As duas, como freelancers, já estavam vivendo esse caminho profissional pouco conhecido e muitas vezes visto como um plano B. E a gente queria saber: tem mais gente seguindo esse caminho desconhecido? Quem são essas pessoas? O que pensam sobre trabalho? É o que queremos descobrir através dos episódios.

Emprego é assunto delicado. Envolve dinheiro e muitas convenções enraizadas. Cada um tem sua visão. O que queremos incentivar é o senso de curiosidade e questionamento dentro ou fora de uma empresa. Planejamos tudo durante 6 meses e filmamos o primeiro episódio no final de 2012, que foi ao ar em janeiro de 2013.

frames_hypeness21_900Os personagens têm histórias tão bonitas… Como vocês chegaram até eles? Alguns chegaram a nós, como o casal de blogueiros do Hypeness, a Aira Bonfim, os meninos do O Bardo e o Banjo e o Luiz Sérgio. Alguns foram indicados por outra pessoa e alguns mandaram sua história através do site, na seção “Indique”. O que a gente aprendeu é que todos têm uma história bonita, só é preciso ouvir. (Foto do episódio da Jaque Barbosa e Eme viegas)

Imagens e fotos, trilha, edição, tudo lindo e muito envolvente. Como
vocês criam os roteiros dos episódios? E a confecção, como se dá? 
Tudo foi bem estruturado no começo, antes de gravar o primeiro episódio. Decidimos como queríamos a fotografia, como seria a narrativa e o que precisaríamos para fazer tudo aquilo que a gente tinha na cabeça. Aí começaram os contatos com amigos do meio audiovisual e criativo que toparam participar. O legal é todo mundo da equipe tem uma história continuecurioso, passaram por mudanças profissionais e de vida. Bem, depois de pensar a gente foi lá e fez.

curiosasDescobrimos que ter uma estrutura bem pensada, antes de gravar, foi essencial pra nos dar liberdade na filmagem. A gente podia e pode mudar no meio do caminho, porque sabemos onde queremos chegar. Estamos indo para o décimo episódio e em cada um a gente aprende algo diferente sobre a confecção do vídeo e sobre a vida mesmo. (Foto das meninas em ação!)

O roteiro é criado somente com perguntas, mas com total flexibilidade. Uma vez li que, para mudar de uma cena pra outra num roteiro de documentário, só é preciso apertar a barra de espaço. Então é assim que fazemos. Damos um espaço e seguimos adiante.

Todos os depoimentos falam sobre felicidade baseada na simplicidade.
Essa constatação faz sentido? 
Faz sentido, mas não é intencional. Aliás, seria bem interessante encontrar alguém que mudou e ganhou muito dinheiro. Seria um ponto de vista totalmente diferente. Essa história ainda não apareceu por aqui. A simplicidade aparece de um jeito bem inconsciente, talvez pela fase que o mundo tá passando, de resgate de algo mais profundo e não superficial.

still_thiago_900Vocês têm 10 histórias hoje. A vontade é ter quantas daqui a um ano? Na verdade temos 9 histórias. A história de outubro tá no forno. Daqui a 1 ano não sabemos, mas podemos dizer que projeto vai fazer um ano já já, em janeiro de 2014, e que pra este ano estamos planejando que a temporada vá até novembro. (Foto do episódio do Thiago Frias).

Adorei a frase “Passamos por um mar de não até chegar à terra do sim”.
Tão verdadeira! Vocês podem falar um pouquinho sobre ela? 
Também adoramos essa frase do Antônio, do O Bardo e o Banjo, no oitavo episódio. Resume a dureza da vida de maneira verdadeira, mas otimista.

Ser curioso é… abrir os olhos.

Continuar curioso é… coragem pra manter os olhos abertos.

still_juss1_900Sair de casa pela primeira vez é um movimento muito importante de
nossas vidas. O que vocês falariam para essas pessoas que estão
pensando na possibilidade com muito carinho, mas ainda se sentem
amarradas à casa dos pais? É incrível como essa decisão tem que ser, ao mesmo tempo, muito bem pensada mas muito espontânea. É uma contradição. Como sair da cama quentinha na manhã de um sábado só pra não perder o dia. Ficar na cama vai ser maravilhoso, mas imagina o quanto você tá perdendo do seu sábado de sol? Tem muita coisa legal pra conhecer e aprender. (Foto do episódio da Juss)

Então acho que sair da casa dos pais é como levantar da cama quentinha num sábado de sol pela manhã. É difícil? É. Mas duvido que você se arrependa.

883566_244822685664210_1725353900_o_900E se tudo der errado começamos de novo? Se tudo der errado, para. Tira uma soneca, come alguma coisa, conversa com amigos e com você mesmo. Aí começa de novo. (Foto do episódio da Thais Roland)

 

Amamos a trilha dos meninos músicos. Onde podemos escutá-los? A trilha é de O Bardo e o Banjo, banda retratada no oitavo episódio do continuecuriosohttp://bit.ly/15Jz5Ie Esse é o site da banda: http://obardoeobanjo.bandcamp.com/

Nota do Apezinho – não perca de vista os endereços do projeto! Site, Facebook e YouTube.

Você também pode gostar de

1 comentário

  • RespondaJéssica Paranhosoutubro 16, 2013 at 8:37 am

    Oi gente! Há tempos venho buscando algo a que me empenhar como Ser humano, eu quero poder ajudar de alguma forma apesar de não dispor de quaisquer tipos de formação a não ser a Regular completa, mas sem sombra de dúvidas eu carrego o que há de mais importante comigo, a força de vontade em querer ajudar o próximo, na verdade eu queria encontrar pessoas com o mesmo intuito que o meu, com planos focados na ajuda contra a miséria de famílias e afins, tentando levar o mínimo de autoestima e carinho àqueles desiludidos que não possuem. Ficaria muito honrada em poder fazer parte da equipe de vocês. Áh, tem uma coisa que eu muito amo fazer e que se por acaso encontrarem onde encaixar eu farei com muito gosto também, eu canto :)

  • Deixe uma resposta