manter

Ritual de Felicidade

julho 17, 2016

Um dia, perambulando pelo Facebook, encontrei esse maravilhoso vídeo do TED na timeline de uma amiga. Robert Waldinger é psiquiatra e diretor de um extenso estudo sobre os fatores que reforçam a felicidade e satisfação em nossas vidas. São 12 minutos de simplicidade, afeto e inspiração. Nenhuma receita mágica, nenhuma descoberta incrível. Assista e encante-se!

Por aquelas coincidências que não sabemos explicar, tropecei nesse post do Medium, assinado por Nir Eyal, sobre o mesmo tema, no mesmo dia. Ah, um sinal, só pode ser (ou o algoritmo do Google trabalhando super bem! :) Daí esse post feliz! Boa leitura e desculpe os erros da livre tradução.

13178986_10206103769340968_5331875564470849357_n

Ame sua família e amigos, seja feliz!

***

Quando minha esposa e eu nos mudamos para Nova York, recém-formados e casados, estávamos ansiosos para conhecer novos amigos. Tínhamos certeza que iríamos encontrar um grupo legal com os de Seinfeld Friends. Para isso traçamos um plano: convidar todos os vizinhos, para uma cerveja em nosso apartamento, colocando convites impressos em suas caixas dos correios. Aí ficamos esperando as nossas versões de Chandler, Kramer e Elaine aparecerem. Mas não rolou, ninguém apareceu. Em 100 apartamentos? Zero. Que decepção…

Recordando esse episódio, vejo como fomos ingênuos. Não percebemos que as amizades do mundo real não têm nada a ver com as que vemos na TV. Porém, nosso desejo de pertencer a uma comunidade estava longe de ser tolo! Estudos recentes mostram que a falta de interação social com pessoas que você gosta e que se preocupam com você, não só leva à solidão, mas também a uma série de efeitos físicos nocivos. Em outras palavras: a falta de amizade pode ser perigosa para a sua saúde.

539985_10150753103057280_2011590185_n

Um estudo de 2010, envolvendo mais de 300 mil participantes, concluiu que fracos laços sociais são tão prejudiciais como o alcoolismo e duas vezes piores que a obesidade. Julianne Holt-Lunstad, co-autora do projeto, disse à Reuters: “A falta de relações sociais equivale a fumarmos até 15 cigarros por dia.” Um estudo mais recente, publicado na revista Proceedings, encontrou uma resposta biológica à solidão. Segundo os pesquisadores, o isolamento social desencadeia uma reação que aumenta a inflamação das células e suprime a resposta imunológica do corpo.

Talvez a evidência mais convincente que as amizades afetam a longevidade vem do estudo de Harvard em curso do desenvolvimento adulto. Desde 1938, os investigadores acompanham 724 homens, desde sua condição física, bem como hábitos sociais. Robert Waldinger, atual diretor do estudo, disse em recente TED Talk: “A mensagem mais clara deste estudo é a seguinte: boas relações nos mantêm felizes e saudáveis. As pessoas socialmente desconectados são menos felizes, sua energia declina no início da meia-idade, seu funcionamento do cérebro declina mais cedo e vivem vidas mais curtas do que as pessoas que não estão sós”.

12026501_10153296593224531_1547659744_n

Atenção, não estamos falando de 500 amigos no Facebook! Waldinger adverte: “Não é apenas o número de amigos que você tem … é a qualidade de seus relacionamentos íntimos que importa.”

Então, o que faz uma amizade de qualidade? William Rawlins, professor de comunicações interpessoais na Universidade de Ohio, que estuda a forma como as pessoas interagem ao longo de suas vidas, disse ao The Atlantic que as amizades que satisfazem precisam de três coisas: “Alguém com quem conversar, com quem contar e com quem desfrutar.”

1907852_10202550338307413_4891545549370355552_n

Encontrar alguém para conversar, contar e desfrutar é fácil e natural quando somos jovens. À medida que caminhamos para a idade adulta, o modelo torna-se mais penoso. Os melhores amigos tomam outros caminhos e se distanciam. A espontaneidade diminui e encontros só com planejamento. Depois que as crianças entram em cena então… Amizades morrem de fome se não as alimentamos. Ao permitir que isso aconteça, maltratamos também nosso organismo.

Se o alimento para a amizade é o tempo compartilhado, como garantir que ninguém passe fome? Meus amigos e eu criamos uma forma de nos mantermos por perto. Ele se encaixa em nosso estilo de vida, apesar de agendas lotadas e um excesso de crianças. Nós o chamamos de “kibbutz” (“reunião” em hebraico). Funciona assim: quatro casais se reúnem, a cada duas semanas, para falar sobre assuntos variados. A questão pode ser profunda como “Conte uma coisa que seus pais lhe ensinaram e que você quer passar para seus filhos?” ou mais leve como “Como você se desconecta do iPhone nos fins de semana?”

13592233_10154229942817357_9142178912037120459_n

Ter um tópico ajuda muito! Passamos batidos pela superficialidade de falar somente sobre esportes ou tempo e nos ajuda a pensar sobre coisas que realmente importam. Em segundo lugar, impede a divisão de gênero que acontece quando os casais se reúnem em grupos: homens em um canto, mulheres em outro. A cada duas semanas, faça chuva ou faça sol, o kibutz está em nossos calendários. Encontramo-nos sempre no mesmo lugar e cada casal traz a sua própria comida, por isso não há preparo ou limpeza.

E as crianças? No nosso grupo, as crianças são bem-vindas, mas elas não fazem parte do show principal. Normalmente divertem-se por conta própria e são orientadas a não atrapalharem o encontro. Nós não queremos que elas precisem da TV para descobrirem como os adultos interagem. Ao nos assistir, nossos filhos verão o que é ser bom amigo: ouvir o que os outros têm para compartilhar e não se distrair com qualquer outra coisa como celulares, futebol ou até mesmo eles próprios.

13124677_1145634928800281_5255053173195564731_n

Os encontros duram cerca de duas horas e eu sempre deixo o kibbutz com novas ideias e insights. Mais importante, me sinto mais perto de meus amigos e invisto na minha saúde. Reunir pessoas queridas em torno de uma mesa e brindar a nossa amizade tem mais efeito que dietas ou treinos.

Amigos, família, gente faz muito bem! Deixe a agenda corrida de lado e tente você também!

485748_10150753203232280_1721791102_n

Nota do Apezinho: Curtiu o texto? Nós adoramos!

Os personagens desse post são muito especiais e fazem a vida das Pereiras mais feliz. Por causa deles teremos muito mais anos de vida, com toda certeza. Viva o amor e a amizade! <3

Você também pode gostar de

4 Comentários

  • Responda Diego Carza julho 22, 2016 at 12:04 pm

    Esse texto é lindo e verdadeiro e eu já li tantas vezes que estou quase decorando! Dá vontade de imprimir esse post e colocar num porta-retrato pra gente nunca esquecer de colocar tudo isso em prática.

    • Daniela Pereira
      Responda Daniela Pereira julho 27, 2016 at 2:22 pm

      Bom, né? Amei muito traduzi-lo. Casou completamente com a minha vida. Beijos, querido!

  • Responda Joselito Borba agosto 18, 2016 at 4:38 pm

    Acredito nesse estilo de vida e, principalmente, o significado que viver em coexistência traz para quem valoriza o ser vivo.

    • Daniela Pereira
      Responda Daniela Pereira setembro 19, 2016 at 11:43 am

      Nós também, Joselito. Viva os amigos! <3 Beijos carinhosos!

    Deixe uma resposta