buscar decorar

Viajar é viver!

dezembro 20, 2016

Já é tradição. Todo ano, eu e minha irmã escolhemos um destino pra passar as férias juntas. Dessa vez, fomos pra Tailândia. Foram quinze dias de entrega e muita vontade de conhecer o desconhecido. Bangkok foi nosso ponto de chegada e partida. A capital é barulhenta, engarrafada e cheia de barraquinhas de comida pelas ruas. Pra compensar, tem oferta de massagem em cada esquina.

picmonkey-collage

Variedade de curry em mercado local e massagem com peixinhos!

Depois de Bangkok, fomos pra Chiang Mai, considerada a capital espiritual da Tailândia. Fiquei apaixonada pela cidade murada do norte, que tem mais de 300 templos e clima ameno, graças às montanhas e cachoeiras que refrescam a alma.

Difícil dizer qual foi a experiência mais incrível nesse lugar, mas a conversa com os monges talvez encabece a lista. Alguns templos oferecem o “monk chat” – a ideia é bater um papo com os monges pra entender um pouco mais a filosofia budista e ajudar a aprimorar o inglês deles.

Foi assim que conhecemos o Bank, um menino de 22 anos que se tornou monge há sete e, desde então, segue a seguinte rotina: acorda às 5h00, medita até 5h30 e sai pra caminhar em torno do templo. Eles pedem comida aos moradores e turistas que também acordam cedo pra alimentá-los. Monge não pode cozinhar nem votar.

Outra experiência que eu recomendo muito é a aula de culinária em uma das escolas da cidade. Aprendi a fazer três pratos típicos e curry! Aquele tempero cheiroso que vem pronto pra uso no saquinho dá um trabalho que ninguém imagina. Haja força pra moer no pilão do jeito que os tailandeses gostam.

untitled-design-1

Gabi concentrada na aula de culinária.

Também fizemos trekking, rafting e visitamos um santuário de elefantes. No Chiang Mai Elephant Sanctuary, eles são resgatados de cativeiros onde sofriam maus tratos. Todos passaram a vida em confinamento. Muitas vezes sem contato com outros animais da própria espécie, sofrem danos psicológicos e não podem ser “devolvidos” ao seu habitat natural. O conceito de um santuário é possibilitar que os elefantes desfrutem, ainda que em cativeiro, de uma vida mais próxima do que seria natural. Alimentar e dar banho é bem diferente de acorrentar, montar e fazer deles um circo. Além desse santuário, um dos mais recomendados na Tailândia é o Elephant Nature Park.

untitled-design-2

Wat Traimit (Buda de Ouro).

Pra fechar, escolhemos o sul. Nada mais aconchegante do que Railay Beach e suas vilas cheias de bares, restaurantes e lojinhas de artesanatos e presentes irresistíveis. Por último, Phi Phi Island é daqueles lugares que se eternizam na memória. Com água transparente, azul calmante e quentinha, eu podia passar o dia todo ali.

 

untitled-design-2

Crianças brincando nas escadas.

Nesses 15 dias, experimentei um mundo diferente do que eu conhecia até hoje. De valores raros no Ocidente. De templos milenares onde é possível conversar com monges budistas. De mar azul turquesa. De canja no café da manhã, tatuagem feita com bambu e insônia até se acostumar com o fuso. De pessoas amáveis, honestas e felizes com o que têm e, principalmente, com o que são.

Um mundo de aprendizados, com a melhor companheira de viagens. Kapunka!

2ba1d0bc-39dc-40d4-b99a-88f3e1ef393a

15 dicas das irmãs! :)

Bangkok: Grand Palace, Wat Pho, Wat Traimit (Templo do Buda de Ouro).

Chiang Mai: Wat Phra Sing, Wat Phra That Doi Suthep, Wat Chedi Luang (monk chat), Curso de culinária (Smart Cook), Sunday market, Chiang Mai Elephant Sanctuary.

Railay beach: James Bond Island, Restaurante Kohinoor (comida indiana).

Phi Phi Island: View point, Maya beach, Kongsiam Live Bar e Restaurante Garlic (comida thai).

Nota do Apezinho: as irmãs Perdomo foram visitadas pelas Pereiras em um post que fizemos pro Cantão. Dá uma olhada no cantinho delas, que delícia!

Você também pode gostar de

Nenhum comentário

Deixe uma resposta