contar

Um toque de delicadeza

março 20, 2014

A Nívia nos dá de presente um post cheio de afeto e nos mostra como os detalhes transformam nosso canto em um lugar único e feliz!

Seja bem-vinda, Nívia querida!

‘Depois de te perder,

Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu’
(Todo sentimento / Chico Buarque)

E é ao lado de coisas simples, recicláveis, capazes de me alegrar e inspirar que escolhi ficar. É no tempo da delicadeza, que sempre pode dar nova vida a objetos, a cantinhos. Assim, nada se perde.

duplaUma das escadas de madeira usadas na obra, por exemplo, píntada de branco e pendurada no teto onde fica a lavanderia, foi pensada para acomodar as roupas que, depois de passadas, seriam levadas para o armário. Mas já que estava conjugando o verbo passar…

Bem, um pouco do passado seria muito bem-vindo. Fotos de viagens foram penduradas, com vidrinhos na frente e suspensas com fitinhas. Adorei o resultado: deu uma leveza à peça e ao ambiente. E a escada usada tantas vezes por seu Jorge agora é… passado.

Embaixo dela, o antigo armário de TV de uma amiga também foi pintado de branco e agora virou minha sapateira.

EscadaA outra escada da obra serve para pendurar as toalhas no banheiro, que ganhou quadrinhos com motivos marinhos.

 

 

sapatoAh, e o sapato do seu Jorge, que rasgou perto do solado e foi abandonado depois da reforma, agora é o meu vaso preferido.

 

 

 

 

 

pesoPenso que, como a gente, os objetos não têm uma vida apenas e nem uma única função, um único destino. Por isso, decidi colocar o peso na janela (e não na porta). Ele evita que o vento bata a janela e ainda me alegra.

 

 

 

 

 

garrafinhaE o pisca-pisca de Natal, dentro de uma garrafa, é o melhor abajur para o quarto da minha filha.

 

 

 

 

 

 

janelaA cortina, tão delicada, permite que eu veja o verde lá fora, integrando cada vez mais a natureza ao neu dia-a-dia.

 

 

 

 

 

 

EspantalhoNa porta, o espantalho não afugenta os pássaros, que passam em revoadas por aqui. Só espanta mesmo a tristeza.

 

 

 

 

 

Nota do Apezinho: Curtiu o post lindo? Então conheça outros apezinhos não menos apaixonantes. A Mari e a Aninha também abrem as portas pra você!

 

Você também pode gostar de

1 comentário

  • Responda Diego Carza março 21, 2014 at 5:32 pm

    Parabéns Nívia, pela sensibilidade, criatividade e bom gosto! Ideias simples e encantadoras.

  • Deixe uma resposta