contar

Lar dos Prin

junho 14, 2017

Eles são melhores amigos. Da mesma cidade. Compartilham apezinho e nunca brigaram, acredita? Esse post é uma declaração de amizade do Edu pro Filipe. Um texto muito amoroso, que enche a gente de vontade de morar com eles. Contamos parte dessa história no blog do Cantão. Aqui postamos o complemento do texto, tão encantador. Boa leitura, inspiração, visita ao apezinho dos meninos, nossos Príncipes!

Ou Princesas, sem amarras, por favor! :)

***

2012

Era janeiro, eu lembro. Filipe, que na época era amigo de amigos em comum, me ligou e contou que estava se mudando temporariamente para o Rio. Falamos rapidamente e combinamos de fazer algo quando ele chegasse. Ao desembarcar no Santos Dumont ele me avisa:

– Cheguei e vou morar no Flamengo com meu pai.

– Que coincidência! Eu também moro no Flamengo!

– Que rua?

– Senador Vergueiro.

– Eu também.

Contrariando qualquer estatística viramos vizinhos e logo em um dos primeiros endereços do Caetano e do Gil quando também chegaram no Rio. E claro que contei isso em alguma tarde de verão e ele nem prestou atenção.

2014

Era janeiro, eu também lembro. Uma turbulência emocional me faz ter vontade de fazer as malas e voltar para casa. Filipe, que nessa época já tinha voltado para Natal, me atende direto do verão em alguma praia no nordeste:

– É isso, amigo. Não tem jeito, acho que vou voltar.

– Calma. Olha só, eu tô voltando pro Rio e dessa vez é pra ficar.

– Sério?

– Aham! Seguraí que a gente vai morar junto.

 E daí em diante embarcamos para a aventura mais divertida das nossas vidas.

Se a gente fosse uma dupla da TV acho que seria Pink & Cérebro. Se a gente fosse uma dupla sertaneja seria Maiara & Maraísa (mas ele diria: claro que não, Simone & Simaria!). Se a gente fosse um filme da Sessão da Tarde seria ‘Dois Amigos e uma cidade em apuros’. Se a gente fosse um bloco de carnaval no Rio seria ‘Ginga & Tapioca’. E o cortejo sairia no Centro, claro. O fato é que somos muito diferentes: Filipe é engenheiro, planejado e planilhado. Eu trabalho com comunicação e nem consigo planejar o próximo feriado. E conseguimos dividir o mesmo teto há quase três anos, respeitando nossas individualidades e crescendo com as nossas diferenças.

“Como vocês se dão tão bem? Dividir apartamento com amigo é tão complicado…”, já perdi as contas de quantas vezes ouvimos essa pergunta. Não há muito segredo e a “técnica” é mais simples do parece: respeito. A cada amanhecer e a cada anoitecer, esse verbo precisa ser conjugado. No presente perfeito contínuo.

AS DIVAS POPS QUE VOCÊ RESPEITA – Sabe a última apresentação da Beyoncé no SuperBowl? Ou aquele clipe da Sia que mal saiu e já tá todo mundo comentando? Filipe sabe de tudo! E embora a gente tenha gostos musicais diferentes, isso nunca foi um conflito, muito pelo contrário. Eu apresento algo do cenário indie nacional para ele, por exemplo, e ele me mostra uma dos Beatles que eu ainda não conhecia. E a música acaba nos unindo: atualmente em qualquer esquenta o feminejo reina absoluto! Cantamos todas e adoramos. Minha dica é: quando bater aquela vontade de ouvir música sem atrapalhar o outro, o fone é sempre o melhor amigo.

OS SUPER HERÓIS QUE VOCÊ RESPEITA – Eu adoro filme nacional, Filipe não perde um lançamento da Marvel. E tudo bem! Ele perde horas explicando quem é vilão e porque o Wolverine é o X- Men mais legal. Eu o levei para assistir Aquarius e ele curtiu. O que poderia ser um ruído, se transforma completamente: um conhece o gosto do outro e acerta na hora de indicar. Filipe aliás virou meu radar-Netflix: ele indica e eu assisto. ‘Please Like Me’ foi nossa última paixão em conjunto.

O JEITO ANALÓGICO QUE VOCÊ RESPEITA – Como trabalho na área digital, no fim de semana tento tirar férias dos gadgets. Filipe é bem mais tecnológico que eu, que coleciono pilhas de livros e revistas. Para organizar as finanças nós já tentamos até um aplicativo, mas a velha dupla caneta&papel resolvem tudo e a tabela fica na geladeira. Nós dividimos absolutamente tudo!

A PURPURINA QUE VOCÊ RESPEITA – Se tem algo que é unanimidade na nossa casa é o carnaval. Filipe, que é infinitamente mais planejado que eu, compra todos os tipos de purpurina e eu fico responsável pela programação dos bloquinhos – que mudam todo ano. E juntos já colecionamos diversas histórias com muita ladeira e confete no caminho. Em contrapartida, nem sempre conciliamos nas agendas festivas. Filipe ama uma boate que eu não gosto tanto, mas de vez em quando eu abro aquela exceção e curtimos uma noite por lá. Acho que essa liberdade entre amigos é fundamental.

O ESPAÇO DO OUTRO QUE VOCÊ RESPEITA – Já vivemos muitas fases um do outro: ele namorando e eu curtindo a solteirice noturna. E sempre houve muito respeito: se eu chego bem mais tarde, tento não fazer muito barulho, porque sei que o sono dele é leve. Essas pequenas gentilezas fazem toda a diferença. Nós dois adoramos conversar, mas quando um chega e percebe que o outro tá concentrado fazendo algo (corrigindo prova, no caso dele, estudando roteiro, no meu caso) respeitamos a individualidade de cada um. Acho que a melhor coisa de dividir apartamento com amigo é ter a certeza que você pode contar com alguém a qualquer hora, é acender a luz do correr e bater na porta do quarto ao lado. Ou mandar mensagem no Whatsapp: “tá em casa?”.

 OS SOTAQUES QUE VOCÊ RESPEITA – Filipe jura que eu perdi o sotaque. Eu sempre nego! E não quero perder nunca. Temos isso muito forte, sabemos de onde a gente veio (por isso a foto das nossas mães permanecem na geladeira) e onde queremos chegar (por isso o imã na geladeira pergunta todo dia quais são os nossos sonhos). Nunca vamos perder a essência que nos une, a de receber gente, da casa cheia, em torno da mesa e com a melhor trilha sonora: a sinfonia de sorrisos.

Pra fechar, uma carta para Filipe.

Porque um dia a gente não vai mais morar junto. Porque talvez a gente esqueça de tudo isso.

Porque você é “minha relação” mais duradoura. Porque você sempre reclama que minha estante está lotada de livros. Porque você foi comigo em todos os shows da Banda do Mar no Rio. E cantou ‘Hey Nana’ cada vez mais alto em todas elas. E a gente nunca viu o clipe gravado na Fundição.

Porque você me manda mensagem perguntando se eu já tô chegando. E eu sei que é só para tomar aquele chopp gelado na Sorocaba com a Mena Barreto. Porque você faz as contas do final do mês. Porque você me atualiza de todas-as-músicas-pops-do-momento. E de todas as apresentações do SuperBowl. Porque você assiste Ru Paul e eu não. Aí sempre que alguém quer comentar eu digo ‘Filipe sabe tudo sobre todas as temporadas, fale com ele, beijos’.

Porque você nunca me julga. Quer dizer, até julga. Mas se diverte julgando. Porque você me espera para gente passar horas contando as últimas novidades da semana. Porque você faz o melhor risoto por acidente do mundo. Porque você é meu melhor ouvinte.

Porque você diz que ama os Beatles. Mas raramente vejo você ouvindo. Mas você tem até uma tatuagem com uma letra deles que eu adoro implicar. Porque você compra castanhas. Porque você sempre pergunta o que vamos fazer no fim de semana. Porque você finge que ouve tudo o que falo. Mas tenho certeza que você seleciona e faz comentários aleatórios para me enganar.

Porque você sabe que eu prefiro a Bethânia do que a Gal. Ou espero que saiba. Porque você reclama da wi-fi. E eu também. E toda semana a gente promete que vai mudar. Porque você quer mudar o sofá de lugar toda semana também. Porque você decorou a casa quase toda. Porque você tem planilhas de passagens e eu não consigo nem planejar o próximo feriado. Porque você me marca em links aleatórios. Porque você sempre alerta quando estou prestes a cair numa cilada. E eu sempre caio. E você repete o clássico “eu avisei”. Mas depois oferece seu ombro. E um chopp gelado.

Porque você compra todas as purpurinas do carnaval. E se depender de mim, deixo sempre pra outra hora. Porque você ouve todos os sertanejos do momento comigo. Porque você faz drinks coloridos. E eu prefiro cerveja. E sempre vou te zoar sempre que você aparece com uma caipirinha-tamanho-família em qualquer festa no meio da rua.

Porque um dia a gente não vai mais morar junto.

Mas gente não pode esquecer dos anos mais felizes das nossas vidas.

 

Conheça a trilha sonora dos Meninos!

  • Varanda Suspensa – Céu
  • A Mulher do Fim do Mundo – Elza Soares
  • A Nossa Casa – Arnaldo Antunes
  • Corre-Corre – Rita Lee
  • Tô Voltando – Simone
  • Ai, ai, como eu me iludo – O Terno
  • Here Today – Paul McCartney
  • Corpo Sensual – Pablo Vittar
  • Búzios do Coração – Banda Uó
  • Louca – Anitta feat Simone & Simaria
  • Medo Bobo – Maiara & Maraísa
  • Eu sei de cor – Marília Mendonça
  • Cheap Thrills – Sia

Você também pode gostar de

2 Comentários

  • Responda Aretusa junho 22, 2017 at 12:53 am

    Cara, que coisa mais linda! Todo o texto, e principalmente a carta no final, transborda AMOR. Delícia de ler.

    • Daniela Pereira
      Responda Daniela Pereira junho 23, 2017 at 2:14 pm

      Ah, Aretusa, achamos a mesma coisa! Muito lindo o texto, né? Beijos carinhosos pra você! <3

    Deixe uma resposta