contar

Casal-detox

julho 3, 2017

Posts sobre organização nos encantam. De gente que era bagunceira e virou a rainha do minimalismo, melhor ainda! A Helen Ellis escreveu sobre sua experiência com o marido para o The New York Times e a gente traduziu o post livremente. Esperamos que te inspire. Nós adoramos!

As imagens lindas são do Brian Rea, uma lindeza. <3

Boa limpeza!

***

Vivo uma vida magicamente arrumada, assim falaria a autora Marie Kondo. Minhas calças são enroladas como sushi, minhas mesas estão nuas e minha cozinha está tão limpa que poderia fazer uma cirurgia nela. Nem sempre fui assim. Quando tinha 23 anos, saí de casa com uma calcinha presa nas minhas costas. Sim, ela estava usada. Não, eu não percebi! Ela estava jogada na minha cama com muitas outras coisas. Meu quarto parecia um aterro sanitário. Quem percebeu a calcinha fugitiva foi o cara com quem fui ter um encontro. Não, eu não me casei com ele…

O homem com quem eu casei entrou no meu apartamento pela primeira vez e encontrou pedaços de biscoito no meu sofá. Ainda posso ver o rosto dele, confuso e de olhos arregalados, apontando as crostas como se quisesse perguntar: “Você também as vê?” Dei de ombros. Ele sentou no sofá assim mesmo. É da natureza do meu marido me aceitar do jeito que sou. É da minha natureza deixar cada armário e gaveta abertos. Equilibro o máximo de coisas na pia do banheiro. Sou desleixada e acumuladora.

No primeiro ano de casamento, meu marido disse: “Você se importaria em manter a mesa da sala de jantar limpa? É a primeira coisa que vejo quando chego em casa “. Foi como se eu tivesse ouvido: “Eu quero um divórcio.” Respondi: “Você quer o divórcio?” “Não”, disse ele. “Eu só quero uma mesa limpa”.

Liguei para a minha mãe.

“O que há na mesa?”

“Ah, tudo. Qualquer coisa que vem do meu corpo quando chego em casa. Sacos de compras, comida, copos de café, correio. Meu casaco.”

“Seu casaco?”

“Então eu não penduro meu casaco no armário – isso me faz uma pessoa terrível? Ele sabia com quem ele estava se casando. Por que eu tenho que mudar? ”

“Helen Michelle, pelo amor de Deus, este é um problema que pode ser facilmente resolvido. Você sabe o que outras mulheres casadas lidam? Bêbados, trapaceiros, homens casados ​​com o Atari “.

“Mama, já não existe mais o Atari”.

“Helen Michelle, algumas mulheres seriam espancadas com uma bolsa de laranjas por conversar assim. Você se casou com um santo. Limpe a maldita mesa “.

E assim, para salvar meu casamento, eu aprendi a limpar minha casa.

Não sabendo por onde começar,apelei para os programas de TV. Aprendi a esfregar o chão, a pendurar roupas obedecendo a distância entre um cabide e outro. Cabides de madeira que comprei online porque entrar em lojas de departamento atiçam a viciada em tralhas que sou. Os cabides de madeira oferecem um impulso de confiança. Me fazem sentir rica e magra. Fazem uma camisa branca lisa ficar sexy.

Perguntei ao meu marido se podia limpar seu armário. Ele perguntou: “O que isso significa?”

Eu disse: “Queria trocar seus cabides de plástico pelos de madeira. O que você acha que eu quero dizer? ”

“Eu não sei, algo novo para a noite de sábado?”

Meus caminhos eram tão novos que ele assumiu que eu estava fazendo avanços sexuais. Ele abriu seu armário e se afastou. O homem confiava em mim. Eu arrumei seu armário com precisão militar. Ele disse: “Nunca soube que isso poderia ser bom”.

E assim nos beijamos animadamente!

***

Mas aí tive uma longa recaída. Não sei como aconteceu. Tudo voltou à bagunça tradicional quando meu casaco caiu da mesa da sala de jantar. E ficou por lá porque os gatos o usavam como cama. Junto com as roupas sujas, jornais, restos de restaurante (que nunca chegaram à geladeira)… A vida corria “tranquilamente”. Meu marido estava aparentemente resignado, tendo guardado na memória aquela casa, temporariamente intocada, como um sonho bem distante.

Foi quando assisti à Acumuladores. Como assim, a mulher não consegue se desfazer das coisas? Isso não aconteceria comigo. Então eu dei livros para as bibliotecas. Roupas para lojas de segunda mão. Microondas porque posso derreter minha manteiga no fogão. E aí apareceu o livro de Marie KondoThe Life-Changing Magic of Tidying Up“. Ou como eu gosto de chamar, “Surpresa, você ainda é uma acumuladora!”

A grande pergunta da autora é: Isso (esse objeto) te desperta alegria?

Olhei minha casa com muito critério e respondi pra mim mesma. Caixas de manuscritos de novelas que nunca foram publicados não provocaram alegria. Os sapatos de designer não usados porque beliscam meus pés não provocaram alegria. Meu marido confessou que sua herança de pinturas gregas e pinturas de barcos de pesca de sua avó não provocava alegria. Então, tudo foi embora. E o que resta dessa transformação? A gente.

Organização = Liberação!

Meu marido está mais feliz. Eu também. Gosto de uma casa arrumada. E gosto de limpar. Tirar poeira é meditativo. Limpar geladeira alivia a TPM. Fazer a cama cuida do meu coração. Durante o tempo todo, escuto audiolivros. Tá com preguiça de limpar um banheiro? Ouça uma boa história e veja se isso não passa o tempo. :)

A desvantagem é que meu marido criou um monstro: eu! Não é incomum me verem com um avental sobre o pijama, hehe!

Às vezes, eu o convido a se juntar aos meus esforços, oferecendo-lhe as tarefas mais horríveis, como se fossem um grande presente, tipo: “Eu vou deixar você limpar a caixa do gato”, ou “Você pode limpar a panela com queijo derretido grudado”.

E ele me diz: “Você é minha Dominatrix”.

Minha resposta? “Tire a camisa e raspe a panela, meu amor!”. E ele tira e se joga na panela, ahaha.

Nos nossos 21 anos juntos, a natureza do meu marido não mudou. <3

Nota do Apezinho: gosta do assunto? Temos mais posts sobre!

Você também pode gostar de

8 Comentários

  • RespondaLohrayne Marianojulho 9, 2017 at 8:40 pm

    Nossa, super me identifiquei com ela aos 23 anos. Vou começar a tentar reverter isso now!

    • Daniela Pereira
      RespondaDaniela Pereirajulho 12, 2017 at 4:53 pm

      Faz isso! E depois conta pra gente a experiência! Beijos e volte sempre, Lohrayne.

  • RespondaRenata Pontesjulho 13, 2017 at 1:29 pm

    Super inspirador. Estou passando por alguns momentos de depressão e mudanças que não me permite reconhecer a pessoa que era antes. Era muito organizada. Vou tentar mudar!!!

    • Daniela Pereira
      RespondaDaniela Pereirajulho 18, 2017 at 2:19 pm

      Oi Renata, você vai conseguir, tenho certeza! <3 Beijos carinhosos e força aí!

  • RespondaIvana Oliveirajulho 14, 2017 at 9:30 am

    Amei essa história!No momento estou assim,tropeçando na própria bagunça.É um processo meio lento para mim,desapegar d lembranças,mas as melhores devem ser guardadas na mente e no coração,e não em caixas d papelão empoeiradas.
    Estou partindo dessa idéia para me livrar d uma vez por todas do caos q eu mesma criei,nada vem por acaso e seu texto só me deu forças para acreditar q é possível,obrigada!

    • Daniela Pereira
      RespondaDaniela Pereirajulho 18, 2017 at 2:18 pm

      Segue em frente, Ivana!! E nos conta depois como foi a conquista. Beijos das Pereiras!

  • RespondaÉricajulho 14, 2017 at 6:12 pm

    Adorei!!! Me identifiquei 😊💪

    • Daniela Pereira
      RespondaDaniela Pereirajulho 18, 2017 at 2:17 pm

      Nós também, Érica!! :) Beijos pra você!

    Deixe uma resposta