comer

Dicas Ayurveda pra vida!

abril 30, 2017

Apesar de simpatizar muito com a cultura indiana, até bem pouco tempo não sabia nada sobre Ayurveda. Não conseguia nem falar a palavra direito, na verdade! Tudo mudou quando a Tati, amiga querida e colaboradora do Apezinho, me presenteou com vários conteúdos, a partir de um curso que fez com a Laura Pires, uma das maiores especialistas no assunto no Brasil. Me apaixonei! Não por coincidência, comecei a cozinhar no mesmo período. Conclusão: meus primeiros pratos foram receitas da Laura e de outras Chefes que admiro muito. A ayurveda entrou de vez na vida das Pereiras.

Em março, foi a minha vez de começar o curso da Laura, Nutrindo seus Sentidos. Estou aproveitando as aulas ao máximo e anotando tudo que ela fala. Somos um grupo grande de mulheres e a experiência tem sido muito rica. A Laura é uma força da natureza. Me inspira MUITO! Estou tão entusiasmada com o que tenho lido, ouvido e vivido, que compartilho com você os primeiros ensinamentos. Eles são bem básicos mas podem estimular a sua curiosidade, assim como aconteceu comigo.

Namastê! <3

Trate-se bem. :)

  • Os pilares da Ayurveda para o plano físico são a alimentação, o sono e o sexo;
  • Boa saúde = boa digestão;
  • Os fatores que controlam nossa saúde são: alimentação, ambiente/ rotinas, clima e emoções;
  • Ter boa saúde é manter o equilíbrio de nossos Doshas (biotipos), Dhatus (tecidos), Malas (excreções), Agni (digestão) e Manas (emoções);
  • O intestino é o nosso segundo cérebro;
  • Precisamos jejuar de vez em quando. Eu incluiria jejum de palavras, pensamentos, celular e internet;
  • O período do Bramamuhurta – antes do nascer do sol – é a melhor hora para acordar e fazer as suas práticas diárias;
  • Escove os dentes com pasta ayurveda, raspe a língua e bocheche com óleo de gergelim pra deixar as gengivas saudáveis;
  • Pratique a massagem, a Abhyanga, é uma experiência maravilhosa! Ela nos descansa, melhora a digestão, nutre a pele, melhora o sono…;
  • Automassagem + atividade física pela manhã abrem o dia lindamente;

  • Seja amigo dos óleos bons: gergelim, semente de uva, óleo de coco…;
  • Priorize produtos locais. Se forem agroecológicos e orgânicos, melhor ainda;
  • Tome banho com sabão artesanal;
  • Três refeições por dia são suficientes. Só se alimente quando a refeição anterior estiver 100% digerida;
  • Almoce entre às 12 e 14h00. É o período do dia onde nosso “fogo digestivo” (agni) está mais ativo;
  • Crie uma rotina de alimentação;
  • Saiba interpretar o seu cocô! Ele varia muito se a digestão é excessiva, lenta ou irregular, Gazes sinalizam problemas de digestão;
  • O gengibre é rei! Pode ser consumido como chá, em pedaços, como tempero, ralado…;
  • No desequilíbrio, reduza os ingredientes das refeições. Simplifique!;
  • Acorde e durma cedo. E durma de 6 a 8 horas;

  • Quer acalmar? Chás de camomila, erva doce, centelha asiática, melissa, valeriana;
  • Recomenda-se que as refeições contenham os seis sabores dos alimentos: doce, salgado, ácido, amargo, picante e adstringente.
  • Comece as refeições pelos alimentos doces e termine pelos adstringentes;
  • Exemplos de sabores:
    Doce – arroz, leite, abóbora, amêndoa…
    Salgado – sal, algas, peixe…
    Ácido – limão, laranja, tomate, vinagre, cebola…
    Amargo – os verdes escuros como o agrião, rúcula, couve, espinafre, taioba, folha de brócolis, chicória, cúrcuma…
    Picante – cominho, gengibre, pimenta, rúcula picante…
    Adstringente – berinjela, caju, casca da maçã, feijão, abacate, açafrão, mel…
  • A natureza dá o que a gente precisa. Produtos processados não são alimento!;
  • A boca tem dente, o estômago não;
  • Não coma andando;
  • Experimente os leites vegetais;
  • Os alimentos que você precisa consumir diariamente variam de acordo com o seu estado de humor. Preste atenção nele. Seja atencioso consigo mesma (o);

  • Explore todas as formas de preparação dos alimentos. Eles podem ser preparados na água, vapor, transformados em molhos/cremes, assados, grelhados, partidos em cubos ou ralados. As opções são infinitas!;
  • Do pior pro melhor: açúcar cristal, açúcar demerara, rapadura, melado e mel. Adote o melado. Nunca leve o mel ao fogo, ele perde suas propriedades;
  • Sempre que puder, compre o tempero in natura, em grão, pra moer em casa e transformar em pó. Guarde os temperos no escuro;
  • Abra seu coração para as raízes, vegetais, legumes, sopas, temperos diversos, mingaus, frutas (cruas e cozidas), chás, grãos, sementes, leites vegetais, ghee, granola, panquecas, farofas;
  • Ao praticar o ayurveda você não vai viver pra sempre, mas vai viver muito mais e melhor. Eu acredito!

A Laura disse – em sua primeira aula – que nosso caminho não teria volta depois de estudar a Ayurveda. Ela tem razão! Quando você começa a praticar esse novo modo de vida, tudo muda. Você começa a prestar mais atenção em você, a cozinhar com mais consciência, se distancia do que pode fazer mal, economiza, torna-se mais curioso, aberto ao desconhecido, feliz!

E olha que ainda estamos no meio do curso. Em breve volto com as novas descobertas, eba!

As imagens desse post são dos perfis da Laura no Facebook e no Instagram. Vale segui-los.

Você também pode gostar de

Nenhum comentário

Deixe uma resposta