buscar

Quer meditar?

junho 15, 2015

“À medida que meditamos, percebemos que nos tornamos cada vez mais mais equilibrados e simples.” Essa frase está no site Sahaj Marg, prática que significa Caminho Natural e é derivada da Raja Yoga.

Ultimamente, a meditação tem ocupado uma parte importante da vida das Pereiras. Quanto mais pesquisamos sobre o assunto, mais nos impressionamos positivamente com seus inúmeros benefícios. Se você gosta do assunto, encontramos um post muito bom no Brasil Post, que vai te interessar. A íntegra está aqui. Aproveite!

***

Dizem que a prática da meditação existe há alguns milhares de anos – e, no entanto, nos últimos anos, especialmente nas Américas, parece que todo mundo conhece pelo menos uma pessoa que começou a praticar a antiga arte contra o estresse.

Porque esta prática tem estado por aí por tanto tempo e porque há tantos tipos diferentes de meditação, existem algumas verdades essenciais que você deve saber antes de mergulhar na meditação ou na prática de atenção plena, em inglês mindfulness (ou em ambos).

Dê uma olhada nas sugestões abaixo.

Você não precisa de um mantra (mas você pode ter um, se quiser). É comum agora as pessoas confundirem mantra com a ideia de uma intenção ou de palavras específicas pelas quais devem viver. Um lema. Mas a palavra “mantra” significa algo completamente diferente. Man que significa ‘mente’ e tra que significa ‘veículo’. Um mantra é um veículo da mente. Os mantras podem ser usados na meditação como uma ferramenta para ajudar a sua mente a entrar (ou focar) na sua prática de meditação.

Outros tipos de meditação usam coisas como o som, contar respirações ou até mesmo apenas a própria respiração como ferramenta similar. Outra forma de pensar em um mantra é vê-lo como uma âncora. Ele ancora a sua mente enquanto você medita e pode ser seu caminho de volta quando seus pensamentos (inevitavelmente) vagam.

Não espere que o seu cérebro fique em branco. Um dos maiores equívocos sobre a meditação é que sua mente supostamente tenha que ficar em branco e que você chegue a um estado super-Zen de consciência. Isto geralmente não é verdade. É importante ter em mente que você não tem que tentar limpar os pensamentos da sua cabeça durante a meditação.

A “natureza da mente, que se move de um pensamento para outro, é na verdade a própria base da meditação”, diz Deepak Chopra, um especialista em meditação e fundador do Centro Chopra para o Bem-estar. “Nós não eliminamos a tendência da mente de pular de um pensamento a outro. Isso não é possível de qualquer forma.” Dependendo do tipo de meditação que você aprende, existem ferramentas para trazer gentilmente o seu foco mais uma vez para a prática da meditação. Como alternativa, alguns tipos de meditação, na verdade, enfatizam estar presente e atento aos pensamentos que possam surgir durante a prática.

Você não tem que se sentar com as pernas cruzadas ou segurar as mãos em qualquer posição. Você pode se sentar em qualquer posição desde que seja confortável para você. A maioria das pessoas se senta reto em uma cadeira ou sobre uma almofada. Suas mãos podem cair suavemente em seu colo ou dos lados. O melhor é não se deitar, a menos que você esteja fazendo uma meditação de body scan (“varredura corporal”, em português) ou meditação para dormir.

newboho_c01-059Dito isto, não tem problema se você cair no sono. É muito comum cochilar durante a meditação e alguns acreditam que um breve sono é realmente muito restaurador. Não é o objetivo, mas se é um subproduto de sua meditação, está bem. Outras práticas podem dar dicas sobre como ficar mais alerta se você cair no sono (confira o No. 19 destas dicas no site Headspace), como ficar sentado em uma cadeira. Na nossa experiência, o relaxamento que provém da meditação é uma coisa maravilhosa – e se isso significa um minicochilo, que seja.

Há muitas maneiras de aprender. Com a meditação se tornando uma ferramenta tão disponível às massas, você pode aprender a meditar sozinho, em grupo, em um retiro, com o seu telefone ou até mesmo ouvindo meditações guiadas online. Todo mundo tem um estilo de aprendizagem diferente e há uma abundância de opções lá fora, que atende às necessidades de cada um. Leia as nossas sugestões de como começar.

Você pode meditar com um propósito definido ou para o seu bem estar geral. Alguns exercícios de meditação têm em mente um objetivo, como ajudar a aliviar a ansiedade ou ajudar as pessoas que têm problemas para dormir. Uma técnica de meditação popular, o mindfulness, é a meditação da bondade-amorosa, que promove o ato positivo de desejar a nós mesmos ou aos outros a felicidade. No entanto, se você não tem um objetivo específico em mente, você ainda pode colher os benefícios da prática.

A meditação traz muitos benefícios à saúdeA meditação pode ajudar a ativar o sistema imunológico, reduzir o estresse e a ansiedade, melhorar a concentração, diminuir a pressão arterial, melhorar o seu sono, aumentar a sua felicidade e ela tem ajudado até as pessoas a lidarem com vícios como o álcool ou o cigarro.

A meditação também pode alterar fisicamente o seu cérebro. Pesquisadores não só observaram o cérebro de meditadores e não meditadores para estudar as diferenças, mas eles também começaram a olhar para um grupo de cérebros antes e depois de oito semanas da prática de meditação mindfulness. Os resultados são marcantes. Os cientistas notaram tudo, desde “mudanças no volume de substância cinzenta até atividade reduzida nos centros do “eu” no cérebro para uma maior conectividade entre as regiões cerebrais,” informou a Revista Forbes no início deste ano.

Aqueles que participaram de um programa de mindfulness (ou “atenção plena”) de oito semanas também mostraram sinais de diminuição da amígdala (o centro do cérebro responsável pelos impulsos de “luta ou fuga”), bem como um espessamento do córtex pré-frontal, que lida com as funções cerebrais como a concentração e a consciência.

Os pesquisadores também analisaram imagens cerebrais a longo prazo, de meditadores experientes. Muitos, quando não estavam em estado de meditação, tiveram resultados de imagem cerebral que mais pareciam as imagens do cérebro de uma pessoa normal enquanto medita. Em outras palavras, o cérebro do praticante experiente é notavelmente diferente do cérebro de um não-praticante.

ashleigh-leech-someform-dome-in-the-desert-joshua-tree-10A apresentadora Oprah é adepta da meditação. Também meditam Paul McCartney, Jerry Seinfeld, Howard Stern, Lena Dunham, Barbara Walters, Arianna Huffington e Kobe Bryant.

A Oprah se juntou ao Deepak Chopra nas experiências online de 21 dias de meditação, nas quais qualquer pessoa, em qualquer lugar, pode participar. O programa é gratuito e o próximo começa em março de 2015.

É mais popular do que você imagina. Você acha que a meditação ainda é um conceito da nova era? Pense novamente. A Revista GQ escreveu seu próprio guia para a Meditação Transcendental. A reportagem de capa da Time de fevereiro de 2014 foi dedicada à “revolução mindful” e muitas das grandes empresas, como Google, Apple, Nike e HBO, começaram a promover a meditação no trabalho, com aulas gratuitas e novas salas de meditação.

Mindfulness e meditação não são a mesma coisa. Fala-se das duas em conjunto, muitas vezes, porque uma das formas de meditação é chamada de meditação mindfulness. Mindfulness é definida mais livremente como a prática de cultivar a consciência presente na sua vida cotidiana. Uma maneira de fazer isso é através da meditação – mas nem todas as práticas de meditação se concentram, necessariamente, na consciência (ou na atenção) plena.

A meditação mindfulness é mencionada na maioria das vezes, quando os especialistas falam sobre os benefícios à saúde que a meditação proporciona. Anderson Cooper recentemente fez uma reportagem especial sobre sua experiência ao praticar mindfulness com o especialista Jon Kabat-Zinn, para o programa “60 Minutes”.

Não acredite em si mesmo quando você diz que não tem tempo para meditar. Enquanto algumas práticas formais de meditação pedem 20 minutos, duas vezes por dia, muitos outros exercícios de meditação podem ser curtos, sendo de 5 ou 10 minutos. Nós facilmente passamos essa quantidade de tempo olhando o que há de novo no Netflix ou curtindo fotos no Instagram. Para alguns, é definir o alarme de manhã 10 minutos mais cedo ou sair do e-mail poucos minutos antes do jantar para realizar a prática.

Outra forma de pensar sobre como incorporar a meditação em sua rotina diária é comparando a prática ao hábito de escovar os dentes. Pode ser que você não faça isso no mesmo horário todas as manhãs, mas você sempre escova os dentes antes de sair de casa. Para aqueles que começam a ver os benefícios da meditação diária, torna-se uma parte não negociável de sua rotina.

Você pode achar que não está “fazendo a coisa certa” na primeira vez que você meditar. Nem na segunda ou na terceira. Tudo bem. É um exercício de prática tanto quanto é o de abdominais ou flexões de braços na academia. Você não espera músculos bem desenvolvidos após um dia de exercícios, por isso pense na meditação da mesma forma.

Dê um passo para trás. Muitos professores de meditação incentivam seus alunos a avaliarem o seu progresso percebendo como eles se sentem entre as meditações – não quando eles estão sentados praticando. Não é incomum se sentir entediado, distraído, frustrado ou mesmo desanimado alguns dias enquanto medita. Espero que você também tenha dias em que se sinta energizado, calmo, feliz e em paz. Em vez de julgar cada meditação, tente pensar em como você se sente durante a semana. Menos estressado, com menos raiva no trânsito e dormindo um pouco melhor? Parece que está funcionando.

ashleigh-leech-someform-dome-in-the-desert-joshua-tree-09Outros links ótimos! Para ser feliz, basta treinar a sua mente, diz monge budista Matthieu RicardVipassana meditation e Desconecte-se.

Nota do Apezinho: as imagens de sonho são de uma casinha no deserto da Califórnia, pronta pra ser alugada no Air Bnb!

Você também pode gostar de

Nenhum comentário

Deixe uma resposta