buscar

Canteiros Coletivos

janeiro 20, 2014

O Apezinho criou uma série dedicada a pessoas que não sabem o que é acomodação. Elas não se contentam em ter um lugar legal pra morar, elas querem mais. Só ficam felizes se sua rua, quarteirão, bairro, cidade estiverem sendo bem cuidados!

Nossos mais novos amigos fazem a diferença. O post que abriu Gente do Bem – eles amam as suas cidades foi escrito pela Heloisa Medeiros, uma das idealizadoras da RUA – Rastro Urbano de Amor.

Agora vamos conhecer os Canteiros Coletivos na voz da Débora Didonê, uma de suas criadoras.

Conta pra gente, Débora!

945203_10151725721318013_2112767951_nO movimento Canteiros Coletivos nasceu em fevereiro de 2012 a partir de debates sobre a cidade de Salvador nas redes sociais, quando foi programada a primeira ação, no canteiro do Vale do Canela. Com a visibilidade gerada pela primeira experiência, o coletivo recebeu convites para atuar em outras áreas da capital.

O Curiar – Escritório Modelo de Arquitetura da UFBA convidou os Canteiros para recuperar áreas verdes na comunidade do Gantois, na qual iniciou um projeto com a proposta de levar seus conhecimentos para fora dos muros da universidade.

Outros convites partiram do Cine Teatro Solar Boa Vista, no Engenho Velho de Brotas, do projeto Bairro-Escola Rio Vermelho e da ONG Estrela da Paz, no bairro periférico de Valéria.

150120_10151262089343013_322188063_nDestes espaços, quatro continuam a contar com intervenções do movimento: Vale do Canela, Gantois, Solar Boa Vista e Praça do Pôr-do-sol – esta última, no Rio Vermelho.

As ações contínuas de plantio, manutenção, pintura e ocupação cultural dos espaços têm também se desdobrado em inserções na mídia, participações em seminários e eventos e mobilizações nas redes sociais, divulgando a um número cada vez maior de moradores a possibilidade que cada um tem nas mãos de transformar a cidade.

O movimento Canteiros Coletivos é uma iniciativa cidadã, autônoma e apartidária de recuperação de praças e canteiros abandonados da cidade de Salvador. Sua intenção é de mobilizar moradores, comerciantes e usuários de bairros soteropolitanos para a recuperação, a conservação e o bom uso do espaço público, que é um patrimônio de todos.

Um dos principais objetivos do movimento é incentivar a recuperação de áreas urbanas esquecidas através de mutirões de limpeza, plantio e intervenção artística, transformando-as em equipamentos de fruição e geração de renda para comunidades locais.

1517447_566546096759008_817551500_n-313x234Nos mutirões, cada participante contribui com o que pode: doação de materiais, ferramentas e mudas, caronas solidárias, divulgação das ações, organização do espaço, recepção de novos participantes, registro fotográfico e em vídeo das intervenções.

Intervir no espaço público é uma forma de provocar uma cidadania mais ativa, fazendo com que todos se compreendam como atores essenciais no cuidado das áreas comuns da cidade.

Abertas a qualquer interessado, as ações do movimento servem também para instigar novos moradores a replicar a ideia em seu bairro e para mostrar que nós, moradores, também somos responsáveis pela “cara” do lugar em que vivemos.

Para 2014 desejamos muito envolvimento das comunidades com os espaços em que atuamos, que aos poucos consigamos cativar, principalmente nos mais jovens, o desejo de se tornar transformador da área onde vive, com criatividade e autenticidade, e provocar em cada bairro que passamos uma reflexão sobre o quanto é importante sermos gestores da nossa cidade, compartilhando conhecimentos e ações com a gestão governamental.

Tem muita coisa no nosso novo portal, falando tudo sobre o movimento e sobre nosso projeto Formação Cidadã.

Você também pode gostar de

2 Comentários

  • Responda Maria Luisa Bomfim janeiro 22, 2014 at 1:13 pm

    Adoro a página do Apezinho, sempre estou de olho. Parabéns.

    • Daniela Pereira
      Responda Daniela Pereira janeiro 28, 2014 at 10:13 pm

      Muito obrigada, Maria Luisa! Venha sempre, que ficamos muito felizes! Beijos!

    Deixe uma resposta